Fotografando a lua

Sempre gostei de fotografia, e ultimamente, dada minha natureza ciclotímica, venho explorando um pouco mais deste hobby. "Explorar o hobby", no caso, significa dar conta de antigas frustrações, como por exemplo, conseguir fotos decentes da lua. Com minhas velhas câmeras compactas, eu apontava a objetiva pra aquela lua maravilhosa e quando o filme era revelado, o que aparecia era um pontinho branco borrado num fundo escuro. Experiência com nível de frustração grau "nunca mais quero saber disso !". Eu sempre imaginei que seria necessário um equipamento especial para fotografia astronômica e deixei essa história pra lá.
Durante o show de imagens que a última copa do Mundo nos proporcionou, me chamou a atenção um "take" que um cameraman fez da lua. Com uma câmera de uso geral (profissional, certo), não preparada para fotos de astronomia, o cara nos proporcionou uma imagem belíssima do nosso satélite. Depois disso fiquei pensando se não seria possivel eu tentar algo parecido, afinal a tecnologia evoluiu muito desde a foto com o tal pontinho borrado. 
Meu equipamento atual pode ser considerado semi-profissional: uma câmera SLR Nikon D80 e várias objetivas , das categorias mais simples, da mesma marca. Pra tentar a foto da lua, usei minha tele mais fortinha, uma zoom 70-300 "G", a tele-zoom mais baratinha da Nikon. O fato da câmera ser digital foi o que viabilizou o processo de tentativa e erro que resultou na foto aí de cima. É uma foto de alto contraste, que engana os sensores da câmera. Nessa situação, nada funciona direito no modo automático: o auto-foco e os controles de exposição ficam maluquinhos. Então, a primeira providência é passar tudo pro modo manual. Depois, jogar o zoom pro máximo (300 mm), e começar a brincar com os ajustes de velocidade e abertura. Curiosamente, os relevos da superficie da lua só aparecem em velocidades muito altas do obturador, e ficam mais evidentes com o diafragma um pouquinho fechado, exatamente o oposto do que se faz numa foto noturna. Os ajustes são parecidos com os de uma foto de ação. Na foto aí de cima, a velocidade foi 1/1250s, a abertura foi f/6.3 e o ISO ajustado para 250. Usei o mínimo da compressão possível na foto, aproveitando o máximo de resolução da câmera. Dependendo da câmera e das condições climáticas, os ajustes podem variar. A velocidade alta ajuda para a foto não ficar tremida. Não foi necessário um tripé, mas recomendo pra quem tiver um disponível. É um pouco incômodo segurar essa objetivona apontada pra cima. Eu fiquei apoiado num muro, sentado no chão, pra ter um pouco mais de firmeza. Fiz algumas tentativas frustradas usando o autofoco da câmera, mas o melhor resultado foi com focagem manual. Apesar de a lua estar muito longe, ajustar o foco para infinito não dá certo. Aí, é só clicar, devagarzinho, pra não tremer.
Depois vem o pós-processamento: na foto original, a lua ocupa talvez uns 10% do quadro, não mais que isso. Usando um editor de imagens tipo Phtoshop (como uso Linux, usei o Gimp), foi só fazer um "cropping" (recorte) e reenquadramento, pra lua encher o quadro. Depois, uns ajustes de contraste pra destacar melhor o relevo e pronto, foi só publicar. A foto final tem 583 x 342 pixels, menos que uma resolução VGA. Dá pra ver legal num monitor, mas acho que pode ficar ruim se for passada pra um filme fotográfico.

Read and post comments | Send to a friend

Advertisements

About aurokam

Técnica a serviço da arte. Um trabalho em andamento sem previsão de término.
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s